sábado, 25 de julho de 2009

E que ninguém pare o Benfica!

Cheguei à conclusão, depois de privar durante mais que três dezenas de anos, com umas largas centenas de lampiões, que ser do Benfica não deve ser fácil. Quero dizer, não é que seja muito dificil do género fisica nuclear, que se não em vez de 6.000.000 eram 3, mas que deve ser uma experiência existencial que os leva ao fim da vida completamente estoirados, disso não tenho dúvidas.

É para mim um mistério o que leva alguém a ser do Benfica, mas a verdade é que existe muita gente que vai caindo na esparrela. É verdade que a maioria chega lá por influência familiar, o que confirma o principio por trás da máxima, que a família não se escolhe. O normal seria que ao longo da vida fossem perdendo o interesse pelo clube e/ou pelo futebol, no entanto, só conheço 2 casos assim, o que sendo pouco não deixa de acontecer exclusivamente a benfiquistas.

Mas adiante. A verdade é que na maioria das situações (há excepções, costumo dizer que 2% dos labregos não são benfiquistas e que 2% dos benfiquista não são labregos e logo por coincidência eu conheço-os todos) a sua preferência clubistica leva-os a viver o futebol num turbilhão de emoções, qual montanha russa. Cada época é iniciada com uma tal descarga de adrenalina que me admira que não morram quase todos por volta dos 45 de ataque cardiaco; é a loucura! Chega este, chega aquele, ganham-se 2 jogos na pré-temporada e já se enche o estádio da Luz. Discutem tácticas como se percebessem alguma coisa de futebol e elogiam os pernetas que acabaram de chegar e de quem nunca se havia ouvido falar, como se fosse um novo Maradona.

Depois começam os jogos a doer e aí normalmente empatam logo o 1º jogo da temporada ou perdem o 2º, mas nem assim "acordam para a vida". Normalmente andam aí até meio da época ainda na ilusão que são uma grande equipa e só depois da fase negra, que costuma acontecer entre a 18ª e a 26ª jornada em que perdem 3 ou 4 jogos e empatam outros tantos, é que caem na real. Ou melhor, deprimem de tal maneira que me admira que a indústria farmaceutica tenha necessidade de alimentar a histeria da gripe A, tal a quantidade de Prozac que devem consumir.

Até que uma nova época chega, um novo ciclo se inicia, novos pernetas chegam, um novo treinador, novos discursos e aí de novo as esperanças renascem... Até à fatídica 18ª jornada!

Mas a experiência de ser do Benfica, não se resume a este cíclico passar de épocas. Não! Ser do Benfica é viver numa ilusão permanente; a maior de todas é que são adeptos do maior clube do mundo! O Glorioso, a Catedral, o Maestro, etc. Tudo os transporta para um universo fantástico, cheio de delírios Messiânicos. Começam com a conversa dos número de sócios. 150 mil... Não. 160... a última que ouvi é que já eram 190! Não tardam hão-de ser mais que os próprios benfiquistas! Mas também pudera, aquilo deve contar tudo. O Cosme Damião ainda deve constar lá na lista. Se o José Eduardo Moniz, pôde estar 31 anos sem pagar quotas e de um momento para o outro pagou o que devia e voltou a contar (não sou eu que o digo, hã... é o outro, o do hã mesmo), não deve ser difícil chegar aos 190.000. Aliás, admira-me é que não sejam mais!

Mas há mais delírios lhes alimentam o ego. Há aquela história de apesar de terem sido fundados em 1908 já conseguirem ter 105 anos (!), a de que os adeptos dos outros clubes vivem obcecados com o Benfica e que eles não ligam nada aos outros (porque são o maior e tal), apesar disto, isto e isto (nem tive que procurar muito, juro! Foi só entrar nos 3 primeiros blogs lampiões que o Caneleiras meteu na barra lateral) , ou e esta é a mais recente de todas, que respiram uma saúde financeira invejável, só porque andam de há 2 anos para cá a esbanjar o dinheiro de um empréstimo obrigacionista que contrairam no ano passado e do contrato de patrocínio com a Sagres, com a validade de 12 anos - a este propósito é giro ouvir o orelhas criticar quem negociou os contratos relativos às trasmissões televisivas pelo sua excessiva longevidade, vê-lo agora fazer isto!

Sobre este assunto e no meio de tanto disparate confesso que a que achei mais divertida é uma teoria que corre aí no sub-mundo blogger, que demonstraram grande astúcia no negócio do 'Ravi' (mais uma pérola, Jesus) Garcia, porque uma parte dos 7 milhões correspondem a ordenados que lhe vão pagar. Ok, sem querer entrar na discussão da veracidade do assunto e sem querer questionar porque é que o Real embarcava nessa de receber dinheiro para dar a um jogador que está a vender, pagar adiantado o que se pode pagar ao longo do tempo, nunca é um bom negócio. Pode quanto muito ser uma solução de recurso; útil quando não se quer aumentar a folha salarial ou quando se tem dinheiro fresco no bolso e se adopta uma estratégia de 'fuga para a frente'.

Mas devem ser estas considerações sobre a astúcia dos dirigentes encarnados que os levam a ignorar as negociatas e trambiques do orelhas, o tal que antecipou eleições para entalar um possível adversário e que depois dão nisto!

E que ninguém pare o Benfica!

4 comentários:

Sérgio_alj disse...

Quantos caracteres gastaste neste texto?

Eu chamo-lhe obsessão!

Espero é que os vermelhos da Holanda (Twente) sejam melhores que o SLB!

Uma palavra: Arnautovic!!

low desert puke disse...

Uma bela prosa, sim senhor. Concordo com algumas coisas e discordo com outras.
Entre elas, a tua versao de benfiquistas que perderam interesse pelo clube e/ou futebol, exclusivamente...Conto-te entao que por volta do fim da decada de 90, quando 4 ou 5 amigos meus (sportinguistas, mas jà là vamos), de longa data -poderei dizer, visto que a maioria os conheçia hà pelo menos 10 anos - começaram a passear um belo sorriso pelas ruas da cidade.
Descobri eu, junto a outros amigos benfiquistas e atè alguns sportinguistas(!), que os meninos em causa nao sò se interessavam por futebol afinal, como eram do sporting e ninguèm atè à data sabia. Eram sempre eles que pouco se juntavam à malta em cafès, a ver a bola, na maioria das vezes iam para casa ao intervalo, ou chegavam ao cafè ao intervalo, sempre desinteressados. Eram sempre eles que pouquissimas vezes vinham jogar à bola na praia, em campos alugados... Percebemos depois que, ou por escolha, ou por falta de força e querer no seu clube, tinham quase apagado o futebol da cabeça.
Eu nem sei como considerar isto, mas um qualquer conceito de altos niveis de frustraçao poderà ser a explicaçao.
Com o sr. Acosta voltaram os titulos e de repente jà se exibiam camisolas verdes, jà se ia ao bar ver a bola com a bela da "mine" na mao.
Nao sei o que è mais triste, perder a paixao pelo proprio clube, ou sò ser do clube "quando se ganha", num completo acto de cinismo e idiotiçe.
Obviamente, ainda hoje, de cada vez que se discute futebol, apanham com a boca "que começaram a ver futebol là para o ano 2000, por isso o vosso conhecimento è limitado". A dois deles apenas, os outros nunca mais os vi.

Por ultimo, o facto que realmente meteste tanto de ti, para mais uma vez(!) engendrares um post tao exaustivo e intrinseco sobre o Benfica, confirma que "esforço, dedicaçao, devoçao e ressabismo", è exclusivamente, o vosso lema.

tio disse...

puke tu és mto nervoso. o reporter fez um post fixe.

tas sempre a reclamar. ate entendo q fales mal dos posts do fuinha mas este foi bom pá.


a malta é que dá vida ao benfica! aqui no blog como ja percebeste, só nós e que damos cor a isto.

pq se dependesse da grande devoçao lampiã este blog tava morto!

e ninguem para o benfica e ninguem para o benfica óóó

low desert puke disse...

Se quisesses resolver essa falta de devoÇao lampiã aqui no blog até me podias convidar para ser um dos assessores do presidente da junta cá do sitio.

Mas nao há tomates para isso.

Pesquisa personalizada