sábado, 6 de junho de 2009

Being José Eduardo Bettencourt

Se estivesse no lugar do novo presidente do Sporting uma das primeiras coisas que faria, já na 2ª ou na 3ª feira, era chamar o Miguel e o empresário ao meu gabinate. O papá do Miguel podia vir também se quisesse.

Dizia-lhes assim: "Sabem, estivemos a analisar a constituição do plantel para a próxima temporada, vendo cuidadosamente a ficha de cada um dos jogadores com quem temos contrato e de entre todos, verificamos que o Miguel (tinha o cuidado de me referir a ele sempre assim, como "o Miguel") é provavelmente aquele que tem maior potencial. Isto significa que daqui a 10 ou 15 anos quando analisarmos a carreira de cada um dos elementos com quem o Sporting tem contrato (ia referindo também esta questão do contrato amiúde) , provavelmente o Miguel será aquele que mais sucesso terá tido.

Por isso tomámos a decisão de não permitir que o Miguel saia, a não ser que apareça uma proposta a partir dos 15 milhões de euros. Abaixo desse valor, será sempre mal vendido e portanto nem vale a pena escutar qualquer tipo de proposta. É que nem nos sentamos para discutir.

Mas... a verdade é que o rendimento do Miguel esta temporada foi fraco. Muito abaixo do que um jogador com o Miguel pode realizar e depois de analisarmos aquilo que queremos para o nosso plantel, a verdade é que as hipóteses do Miguel se afirmar como um titular esta temporada, podendo contribuir positivamente para a equipa e continuar a crescer enquanto jogador, são bastante baixas.

Portanto, decidimos emprestá-lo à União de Leiria. Está lá o Manel (falaria sempre também nele como "o Manel", só naquela do Miguel nem poder dizer que estava a ser discriminado!), que o pode ajudar a evoluir e que certamente terá os interesses do Sporting em conta nesta gestão da carreira do Miguel, o que significa que quando as duas equipas se defrontarem, o Miguel terá que estar indisponível."

É claro que nesta altura, o empresário, o papá e o Miguel, entrariam em "tilt mode". "Não pode ser."; "Um jogador da craveira do Miguel não pode ser emprestado"; "Não aceitamos"; "É uma afronta!"; blá, blá, blá.

"Então, penso que temos um problema. Ou surge uma proposta acima dos 15 milhões ou o Miguel terá que ficar no plantel, mas digo-vos já que as hipóteses de vir a jogar são muito baixas. Na equipa principal, claro. Nunca o Sporting colocaria um profissional seu à parte, pelo que contamos com o Miguel para a Liga Intercalar e assim! Claro que esta não me parece a solução mais correcta para um jogador da idade do Miguel, que nesta fase precisa de jogar e neste sentido a opção União de Leiria seria a melhor de todas.

Pensem nisso, mas rápido que o plantel precisa de ser fechado. Aproveitem os feriados e dêem-me uma resposta na 6ª."

Tenho a certeza que uma de duas coisas aconteceria: Ou a proposta dos 15 milhões aparecia e nesse caso, assunto resolvido, bolsos cheios e puto mimado dali para fora, ou não apareceria proposta nenhuma e nesse caso uma de duas coisas aconteceria: ou o Miguel aceitava o empréstimo, percebia o recado e voltava com um banho de humildade em cima e disposto a mostrar que a conversa do potencial não era tanga, ou então não e passava a época a jogar contra o Mafra e o Estoril na intercalar, perdendo-se provavelmente o maior talento com quem o Sporting tem contrato, mas com a certeza que qualquer "Miguel" da vida, que aparecesse no clube e que se quisesse armar ao pigarelho ia pensar no Miguel, antes de tomar qualquer decisão estúpida.

10 comentários:

Leão de Alvalade disse...

Que pena já terem fechado as candidaturas...

low desert puke disse...

A frase em que se explica que o sporting nunca colocaria um seu profissional à parte nao inclui o Stojkovic ou o Vukcevic, pois nao?

Repórter H disse...

Tirando as 3 semanas em que o Vukcevic esteve a fazer preparação específica e que portanto não fazia o mesmo treino que os outros, o que é diferente de estar "à parte", diz lá quando é que isso aconteceu?

low desert puke disse...

Pah, eu lembro-me de impedimentos vàrios de treinar junto com o plantel, do Vuk ou do Sojkovic, na primeira metade da època, embora por periodos curtos. E qualquer coisa de parecido com O Miguel, tambèm. Mas posso estar a fazer confusao e peço desulpa se erro. No fundo, dou sempre primazia ao meu clube em vez de prestar mais atençao aos clubes rivais para ciclicamente poder engendrar piadas de humor duvidoso. E nem tenho um arquivo de links anti-sportinguistas para agora ir confirmar se tenho razao eu ou tu.

Como jà disse, mea culpa se erro.

Repórter H disse...

Com o Paulo Bento tal nunca aconteceu. Aquilo que ele diz e já lhe ouvi isso mais que uma vez, é que foi jogador e sabe o que isso pode custar e que portanto não o faz. No caso do Stoijkovic, disse várias vezes que não contava com ele e que era melhor que saísse. Como o gajo no início da temporada não quis ser emprestado, acabou por continuar a treinar com o plantel, sem nunca ter sido opção.

No entanto, aqui o importante seria o resultado final de acabar com um problema dentro do plantel, servindo de exemplo para quem quisesse pensar em si primeiro e na equipa depois. Correndo o risco de se perder um jogador, acho que valia a pena.

low desert puke disse...

Bom, entao vendo o percurso do Vuk, Grimi, O Miguel ou Moutinho, dentro do plantel, durante a època, penso que a maneira usada pelo Paulo Bento para acabar, ou prever, esse tipo de problemas nao foi 100% eficaz.

Repórter H disse...

Por isso é que estas coisas têm que ser resolvidas a um nível superior e não apenas pelo treinador. Esse tem feito o que pode e que não pode. Nesse capítulo, mais não se lhe pode pedir.

low desert puke disse...

Por isso o Pedro Barbosa deveria ser menos invisivel agora. Ao menos durante 45 minutos de cada treino, como quando era o melhor jogador portugues.

Carga d'Ombro disse...

Porque é que não permutam o Miguel com qualquer outro activo dos vossos amigos corruptos?

Assim, de duas coisas tinham a certeza:

1. Querendo vocês tão bem ao Miguel, garantiam que ele ficaria num clube onde era obrigado a jogar a sério, sob pena de ser sodomizado (e gostar);

2. Receberiam em troca um qualquer Postiga ou Derlei desta vida, que vos têm ajudado tanto a ganhar campeonatos...

Que vos parece?

ana disse...

Se fosses presidente do Sporting e tomasses essa iniciativa assim de chofre, aqui esta sócia exclaria: "É d'homem!".


"A frase em que se explica que o sporting nunca colocaria um seu profissional à parte nao inclui o Stojkovic ou o Vukcevic, pois nao?"

Incluiria se eles fossem profissionais. É que isto de ser profissional não é só ser federado e receber dinheiro para jogar, tem que se dar o litro e respeitar colegas e superiores. O Vuk aprendeu, começou a trabalhar e a respeitar e tornou-se um verdadeiro profissional. O Stojkovic, pelo que ouvi dizer, para profissional só mesmo de pugilismo ou para "comentarista" de um qualquer programa da má língua dos nossos canais de televisão.

Pesquisa personalizada