segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Porque na vida há coisas mais importantes que um jogo de futebol

Quem nos acompanha há mais tempo, sabe que temos aproveitado este espaço, para de uma forma mais ou menos descontraída parodiarmos com o que vai acontecendo com o futebol cá do burgo. Sabem também que alguns dos "postadores" de serviço se deslocam habitualmente ao Estádio José de Alvalade, para acompanhar os jogos do Sporting.

Sábado, não foi excepção.

Assistimos no entanto a cenas graves, no momento de acesso ao Estádio, que motivou a que tivessemos apresentado ao Sporting Clube de Portugal - enquanto entidade organizadora do jogo - e ao Ministério da Administração Interna - entidade que regula a actuação das polícias em Portugal - uma reclamação sobre a forma como os acessos ao Estádio estão organizados e pela forma de actuar da polícia que contribuiu para colocar em risco a integridade física de quem pretendia aceder ao Estádio.

Obviamente que as mensagens enviadas foram devidamente assinadas, com as nossas identificações, algo que neste espaço nos excusamos, por motivos óbvios de o fazer.

Não pretendemos com esta atitude incentivar outros a seguirem-nos. No entanto e de tal forma a situação foi escandalosa que caso alguém entenda utilizar a nossa mensagem como base para reclamações identicas, na eventualidade de ter assistido a cenas similares, não nos opomos a esse facto.

Assim sendo, fazemos uma pausa para falarmos de uma forma séria e deixamos de seguida as mensagens enviadas há alguns instantes:


A/C: Departamento de Serviço ao Sócio

Exmos. Srs,

No passado sábado dia 27, enquanto sócios detentores de "Game Box", fomos em conjunto ao Estádio José de Alvalade para assistir ao jogo entre o Sporting Clube de Portugal e o Futebol Clube do Porto e perante as dificuldades que nos deparámos na entrada, agravadas por uma acção incorrecta por parte das forças policiais, das quais demos conta ao Ministério da Administração Interna, conforme mensagem anexa a esta, vimos por este meio expor a nossa indignação e exigir a tomada de medidas, que visem melhorar o acesso ao estádio e minimizar o risco de acidente que face à forma como as coisas hoje estão organizadas é elevadíssimo.

O acesso foi, como habitualmente, difícil e efectuado no meio de "apertos" e empurrões, o que demonstra por um lado a forma deficiente como as entradas foram projectadas e a forma ineficaz como os acessos são organizados.

Sendo responsabilidade do Sporting Clube de Portugal a organização dos jogos, incluindo o acesso ao estádio, vimos por este meio alertar para a forma perigosa como hoje se entra em particular na porta 3 - CGD, sendo nossa intenção responsabilizar o clube e as forças de autoridade competentes, na eventualidade de um acidente que conforme referimos poderá vir a acontecer.

Enquanto sócios do Sporting Clube de Portugal, sentimo-nos envergonhados pela forma como somos (des)tratados no acesso ao nosso próprio Estádio, exigindo que o clube tome medidas imediatas que visem melhorar esta situação, diminuindo o desconforto e o risco real de um acidente grave de quem pretende apenas e só ir ver tranquilamente um jogo de futebol.

É para nós, totalmente incompreensível e inadmíssivel que o acesso a um estádio moderno, totalmente construído de raiz e que foi classificado por entidades competentes com "5 estrelas" como é o Estádio José Alvalade (facto amplamente divulgado pelo Sporting Clube de Portugal), se faça nas condições que se verificam, semana após semana, não sendo de todo normal que se demore quase 30 minutos para entrar, considerando para mais o elevado valor que dispendemos anualmente para aquisição das "Game Box" - este aspecto é ainda mais grave, para aqueles de nós que adquiriram no momento da construção do Estádio um "Lugar de Leão".

Cada um de nós, conta no seu passado e no seu historial de ligação ao clube a presença em inúmeros jogos e pretende continuar a poder fazê-lo em segurança e tranquilidade. Situações como as que ocorrem sistematicamente e que tiveram no sábado o seu episódio mais escandaloso, em nada contribuem para chamar pessoas aos estádios, sendo que nos questionamos se fará sentido continuar a deslocarmo-nos a Alvalade se isso implica colocar em risco a nossa integridade física ou podermos vir a assistir ao vivo a uma situação trágica.

Solicitamos a vossa melhor atenção para o exposto, colocando-nos à vossa disposição caso pretendam esclarecimentos adicionais.

Cumprimentos,

---------- Forwarded message ----------

From:
Date: 2010/11/29
Subject: Reclamação
To: dirp@sg.mai.gov.pt
Cc:

A/C: do Gabinete do Exmo.Sr. Secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna

"O Ministério da Administração Interna é o departamento do Governo responsável pela formulação, coordenação, execução e avaliação das políticas que visam assegurar, no território nacional, a autoridade do Estado, a segurança dos cidadãos e dos seus bens, a paz e ordem públicas, a livre participação política dos cidadãos através de actos eleitorais e referendários, e o socorro às populações em caso de alteração da normalidade de vida motivada por acidente grave ou catástrofe."

Exmos. Srs,

no passado dia 27 de Novembro, dirigimo-nos em conjunto (como é hábito, aliás) ao Estádio José Alvalade para assistir ao jogo entre o Sporting Clube de Portugal e o Futebol Clube do Porto. Ao chegarmos à porta de entrada, porta 3- CGD, verificámos a confusão habitual com muita gente aglomerada à espera para aceder ao recinto, sendo que pelo número elevado de espectadores o número de pessoas era maior que o normal.

Por este motivo e por uma clara deficiente organização nos acessos, a dificuldade em entrar motivou a que estivéssemos cerca de 20 minutos, numa situação de "aperto" invulgar e perigosa para a integridade física de quem ao estádio tentava aceder.

Encontravam-se junto aos acessos, com o objectivo de tentar organizar, controlar e fazer a triagem das pessoas, membros de uma empresa de segurança privada (vulgarmente designados por "stewards") e ainda elementos da polícia de segurança pública pelos quais o vosso gabinete é, de acordo com a informação disponível no vosso próprio site na internet, directamente responsável.

No entanto e é este o motivo pelo qual endereçamos esta mensagem, este elementos fizeram tudo menos aquilo que deveria ser a sua missão, muito bem expressa naquela que é a vossa missão, indicada também ela no vosso site da internet e que transcrevermos no início desta mensagem, nomeadamente a garantia da "segurança dos cidadãos". O acesso ao Estádio em questão é hoje em dia um perigo para a segurança de quem apenas pretende ver tranquilamente uma partida de futebol, com as pessoas a amontoarem-se no acesso à porta, com quem está atrás a empurrar quem está mais à frente e que em barreiras sucessivas é bloqueado por "stewards" e/ou polícia. Obviamente que esta situação é mais significativa em dias em que a afluência de público é maior. Pela experiência pessoal que temos, podemos afirmar que é apenas uma questão de tempo até que um acidente grave aconteça neste acesso ao Estádio, sendo que a presença de crianças e pessoas de idade mais avançada potenciam claramente esta situação.

Caso nada venha a ser feito e na eventualidade de um acidente futuro, que não desejamos mas que infelizmente prevemos, iremos pessoalmente responsabilizar o vosso ministério e o Sporting Clube de Portugal - a quem iremos também dar conhecimento desta situação e desta mensagem - pelos seus efeitos, podendo esta servir como comprovativo de inacção de quem de direito.

No caso concreto e no que respeita à actuação dos elementos da polícia, que estavam a controlar os acessos à porta 3 - CGD, vimos ainda por este meio denunciar a sua total e completa inaptidão para o efeito, tendo efectuado um péssimo serviço no sentido de garantir a segurança das pessoas que pretendiam aceder ao estádio. Pelo contrário, podemos afirmar que contribuiram activamente para que o acesso fosse feito em espaços mais pequenos que os disponíveis - verificámos a existência de corredores vazios (onde os ditos elementos da polícia de posicionavam), enquanto que as pessoas em dificuldades se amontoavam em corredores exíguos. Com a agravente que perante as reclamações que iam sendo feitas de forma mais ou menos exaltadas (ainda que totalmente justificadas, porque as pessoas estavam efectivamente em dificuldades), chegaram a responder com agressões com os "cacetetes" que empunhavam.

O que se passou no passado sábado foi vergonhoso e a atitude das forças de segurança foi de todo exactamente o contrário do que se espera destes elementos. Para mais, verificámos que estes elementos não se encontravam identificados, o que constitui a nosso ver um convite ao abuso de poder, que uma vez mais reafirmamos termos assistido.

Assim sendo e face ao exposto, solicitamos a abertura de um inquérito aos factos sucedidos e que dentro daquilo que são as vossas competências, sejam tomadas medidas para que de futuro as dificuldades no acesso seja minimizadas e que não se repitam jamais os abusos que testemunhámos por parte de quem tem como missão garantir a segurança dos cidadãos e não agredi-los de forma indiscriminada, só porque a situação está difícil.

Estamos à vossa disposição caso pretendam esclarecimentos adicionais ou se pretenderem o nosso testemunho de viva voz.

Cumprimentos,

17 comentários:

Dartacão disse...

Assino por baixo inteiramente.

Começa na ingenuidade de que arquitectou, da estupidez de quem permitiu e ,nestes casos, de quem o regula.

Para isolar uns poucos, lixam-se os outros, a arrogância e a prepotencia em nada ajuda à situação.

Valdemar disse...

Bem, reporter. Muito bem.

Peço que vás informando dos desenvolvimentos, se os houver.

Um abraço.

Offshore disse...

estive na bancada MEO - A25.
Parece-me incompreensível que num estádio moderno se fique 30 minutos em fila para entrar.
No Dragão e na Luz, tal não acontece (a não ser que se esteja a entrar com alguma das claques).
E como na época passada ocorreu o mesmo penso que seja um problema de organização e não tanto da infraestrutura.

ana disse...

Não ponham as culpas no estádio, que as entradas são bem amplas e obedecem a normas de segurança. O problema é esses tais corredores vazios para os senhores polícias estarem a observar o panorama e a conversarem sobre o que lhes apetece (um engraçadinho uma vez teve o desplante de se virar para o meu sobrinho e perguntar-lhe se não tinha vergonha de ser do Sporting, que o esselbê é que era, ao que o mandei pó caralho, assim mesmo, com as letras todas), e do hábito portuga: vai-se sempre à última da hora. Por exemplo, eu fui ver este último jogo, e como sou uma totó no que a orientação diz respeito (e não só, já sei, já sei), tinha bilhetes para a bancada meo e continuei a andar até à bancada tmn, mais à frente. Quando passei em frente à meo, não havia aglomerado nenhum. Enquanto estive à espera que abrissem o acesso à bancada tmn, à conta da chegada dos tripeiros, o que demorou para aí 15 minutos, e verifiquei que me tinha enganado e voltei à meo, já estava tudo ao molho e uma grande fila até ao muro delimitador do complexo... bastonadas não levei nenhumas nem vi ameaças disso, mas ouvi os protestos e as assobiadelas. Ora as pessoas sabem que quando vão ver o jogo, têm que ser revistadas, o que retarda uns 5, 10 segundos, no mínimo, por pessoa. Se o pessoal entra todo nas últimas, tem que se sujeitar às consequências. Se forem meia hora antes do início do jogo, de certeza que isso não acontece...

Repórter H disse...

Ana, chegámos ao estádio às 20h40. 35 minutos antes da partida começar. Quando cheguei à bancada, faltavam 2 ou 3 minutos para o jogo começar e desta vez nem houve revistas, tal era o "granel" que havia, até chegar à zona habitualmente reservada a esse procedimento.

Não sou especialista no assunto, mas de certeza que é possível meter as pessoas em segurança e confortavelmente dentro do estádio.

Para mais, não compro os meus bilhetes com um ano de antecedência, para depois ter que ir "secar" para o estádio.

Isto parece-me o mínimo do razoável.

Poder fazer isto sem levar uma cachaporrada da polícia, porque o sr. agente está mal disposto não aceito, nem admito.

Offshore disse...

eu cheguei à fila às 20h45 e entrei com o jogo a iniciar.

não vi nenhuma violência policial, nem entre adeptos.

ana disse...

A bancada CGD é o topo sul, não é? estava esgotado, que eu quis ir para lá e já não havia bilhetes. Mas o problema tem a ver com a organização. E essa não é responsabilidade do Sporting. O Sporting só paga pelo serviço...Vamoslá ver o que resulta da vossa reclamação. Acho muito bem que a tenham feito. Só quis frisar aqui que o problema não é o estádio...

Repórter H disse...

A CGD é a central, oposta à tribuna presidencial (quisemos ficar mesmo de frente, para vermos a tromba do palhacete!).

A organização do jogo é responsabilidade exclusiva do clube visitado. Neste caso o Sporting, tem preparado muito mal as coisas, porque honestamente, não consigo conceber as dificuladades que a cada 15 dias se verifcam para entrar no estádio.

A segurança é contratada à PSP, que depende do Sub-secretário de estado do ministério da administração interna, para onde foi endereçada a reclamação pelo comportamento dos senhores agentes, que não identificados, controlovam as entradas.

Sobre a concepção do estádio, não percebendo nada do assunto, faz-me confusão que um recinto projectado para 50 000 pessoas apenas tenha 4 entradas!

Acessos esses que no sentindo inverso afunilam, o que me parece uma anormalidade e que nos coloca a todos em perigo no caso de uma emergência. Mas uma vez mais repito que sou um leigo na matéria.

ana disse...

Repórter, o estádio tem que obedecer a normas de segurança. Não acredito que o deixassem ficar como está se isso representasse perigo. E muito menos acredito que a UEFA lhe concederia 5 estrelas se não respeitasse essa regra fundamental. Mas vou tentar informar-me. Nõ quer falar de uma coisa tão grave à base de "achos que"...

joemorales disse...

Só tem 4 entradas? Como assim? Nunca fui a Alvalade, mas na Luz qdo o estádio está cheio acontece o mesmo na altura da saída. O estádio fica vazio num instante, mas depois só tem 2 saídas para escoar o público, Alto dos Moinhos e Colombo. É uma puta de confusão e calculo que os apertos de que falas sejam os mesmos nesta situação. Mas quer-me parecer que ninguém te vai ligar nenhuma, caro H. Mas caso te respondam deixa neste espaço a resposta que te deram.

Em relação à PSP realmente é uma vergonha, a ser como o dizes. São todos muito maus e acham-se os maiores só porque usam uma farda. Sei de uma situação em que até se ofereceram para despir a farda e se encontrarem num local à escolha do visado. Andam sempre à procura de quem se enerve para terem motivos para descarregar a frustração das suas, insignificantes?, vidas. Em relação a essa situação não tenhas mesmo esperança que algo mude, nem com 10 testemunhas...

Anónimo disse...

Pois eu cheguei à porta 35min antes do jogo começar e cheguei à bancada decorriam 10m de jogo.
O que se passou às portas de Alvalade é uma vergonha descabida!
Eu vi pais a sairem da "fila" com crianças às cavalitas com medo das bastonadas dos srs. agentes da (des)ordem... eu vi sócios a abandonar o estádio comentando "eu não estou para isto"... eu vi um sócio, com idade para ser meu pai, a ser PUXADO sobre uma grade por dois agentes e a ser imobilizado no chão por cinco(!!!), quando até já tinha passado o primeiro cordão policial (estava exaltado, mas longe de ser uma ameaça a quem quer que fosse) ... ao meu lado, uma rapariga entrou em pânico perante tamanha violência sobre o pobre homem (não sei se chegou a assistir ao jogo, mas chorava compulsivamente)...
Tudo isto na nossa casa. É preciso dizer mais alguma coisa?

Mr. AC

JNF disse...

Ora bem... eu também estive lá para ver futebol. (sim, porque ao contrário de alguns fanáticos eu gosto de futebol e de uma boa rivalidade).

E o meu bilhete era no sector B28 da bancada CGD, logo entrei pela porta 3, onde tudo ocorreu. E o que se passou foi gravíssimo. Aquela acumulação de gente pelas escadas é de doidos, nem no 3º mundo acontece isso. Basta um cair para se ferirem gravemente uma dezena de pessoas naquela escadaria. E lá em cima, por entre as grades, era a confusão total. As pessoas, ao que parece, estavam a ser revistadas uma a uma e isso demorou imenso tempo como é óbvio. Os adeptos perderam a paciência e lá foi disto, carga sobre a polícia e seguranças que tentavam impedir que os adeptos passassem. Eu que estava lá à frente pensei "mau, esta merda ainda vai sobrar para mim, olha ali dois gajos do corpo de intervenção, ainda vou levar uma marretada na cabeça sem ter feito nada". Carregaram sobre os seguranças e sobres as grades que estavam junto á entrada dos sectores e passou tudo sem problemas. Mas ganhei para o susto.

É ridículo que o estádio só tenha 4 portas para se entrar! Que patetice! Na Luz, para terem uma noção, há 32 portas, salvo erro. Mas os problemas na Luz são à saída, com aquele fosso à volta e com o parque de estacionamento junto ao Media Markt a não permitirem uma evacuação adequada.

Anónimo disse...

Provavelmente eram membros do Herri Batasuna disfarçados...

Anónimo disse...

JNF : Há 32 portas....mas antes de se chegar a uma dessas 32 portas, passas por um controle que dá acesso a algumas 10 portas, não?!?!??! Eu só fui 2 vezes ao Estadio da Luz e achei em termos de acesso péssimo. Fui na final do Europeu, em que fiquei numa bancada que para chegar lá, ia por umas escadas estreitissimas que terminavam em torniquetes. E fui noutro jogo da Selecção em que supostamente iria entrar na porta 15 ( por exemplo!), mas primeiro existia uma porta em grades que dava acesso mais à frente às portas 5-15 ( por exemplo). Já melhoraram isso?! E nas saídas era pior que ir numa procissão, realmente....

Anónimo disse...

Imbecil das 14h45, já estás a discutir clubites agudas. És um triste pá, cheira-me a Monte de Merda...

low desert puke disse...

Se é o MM faz sentido aquilo que disse.

Ele sabe que misturar arquitectura com futebol tem a sua razao, jà que o seu clube é um beco sem saìda.

JNF disse...

Anónimo,

e quanto tempo demora esse controlo? Nem dois minutos.

Isso das portas com grades não percebi, mas nunca vi lá nada assim.

Pesquisa personalizada