terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Top 5 dos feitos do Sporting

No seguimento do post do Reporter H, indico em seguida os 5 feitos do Sporting que, em minha opinião, são lideram o top dos mais inesquecíveis. Naturalmente que só atendi àqueles que vivi e as emoções dos mais recentes poderão, eventualmente, ter pesado mais. Haveria outros que poderiam figurar aqui como a magnífica exibição que silenciou o Barnabéu com 3 bolas no ferro, ou a excelente exibição com o Barça, em Alvalade em que o Fernando Mendes desperdiçou a oportunidade de sentenciar a eliminatória antes que o Barça reduzisse e garantisse a passagem... Mas aqui vai.

Sporting-7, Benfica-1



14 de Dezembro de 1986 - A tarde de Domingo era de inverno e ameaçava chuva. Mesmo assim, o velhinho Alvalade tinha uma assistência que rondava os 60.000 espectadores. Casa quase cheia, como era habitual nos derbies. O Sporting alinhou com Damas; Gabriel, Virgílio, Venâncio e F. Mendes; Litos, Oceano, Zinho e M. Jorge; M. Fernandes e Ralph Meade. O Benfica - não que interesse - mas alinhava com Silvino; Veloso, Dito, Oliveira e Álvaro; Diamantino, Shéu, C. Manuel e Wando; Chiquinho Carlos e Rui Águas.

O jogo foi intenso e equilibrado na primeira parte, com ligeira superioridade do Sporting, com um golo de Mário Jorge aos 15 minutos. E assim foi para intervalo, começando a chover com muita força, anunciando a outra chuva que aí vinha. A 2ª parte abre logo com um golo de M. Fernandes, de canto, em que este foge à marcação correndo boa parte da áre a aparece a facturar ao primeiro poste, na antecipação a Silvino. Parecia que o Sporting ia embalar, mas poucos minutos de pois, Wando, na sequência de um livre, cabeceia para o 2-1. O Estádio tremeu, mas poucos minutos depois, Ralph Meade, o avançado imprevisível, estica-se todo e encosta para o 3-1 aos 65'. Durante um período não houve tempo para ninguém se sentar: aos 68' M. Jorge faz o 4-1 e aos 71' Manuel Fernandes bisa para o golo da tarde num salto de peixe a corresponder a mais um cruzamento de Litos (o melhor em campo a seguir ao Manel). O Manel ainda viria a marcar mais 2 golos aos 82' e aos 86'. Foi um massacre! O maior em jogos oficiais entre Sporting e Benfica e tanto assim foi que a RTP se juntou à festa e transmitiu o jogo (algo que era raro na época) em diferido duas horas depois.

Salgueiros-0, Sporting-4



14 de Maio de 2000 – Não consegui confirmar o 11 inicial do Sporting, mas não andaria longe deste: Schmeichel; César Prates, André Cruz, Beto e Rui Jorge; Vidigal, Duscher, De Franceschi, Pedro Barbosa e Mbo Mpenza; Acosta. Fim de tarde de Domingo, o dia da grande decisão. Um ponto separava Sporting e Porto. Seria o Sporting capaz de aguentar a pressão e vencer em Vidal Pinheiro um Salgueiros que lutava pela sobrevivência? Ao mesmo tempo o Porto dava o tudo por tudo em Barcelos. O jogo estava duro e na primeira parte, apesar de algumas ocasiões de golo, com superioridade do Sporting, não havia golos. Mas a 2ª parte abriu logo com um livre do André Cruz a inaugurar o marcador (48’), ao mesmo tempo que o Porto perdia em Barcelos. Schmeichel ainda faz uma defesa impossível numa resposta do Salgueiros, mas Ayew faz logo de seguida o 0-2 (52’). A partir daí nunca mais se parou de gritar campeões nas bancadas do Vidal Pinheiro e eu sei porque estava lá. Nunca mais me esqueço do Rui Jorge virado para a nossa bancada a fazer o gesto de vitória com os dois braços, com a bola ainda dentro de campo. Duscher (76’) e André Cruz (89’) ainda contribuíram para o aumento da festa. Éramos campeões e a festa não parou. 14 de Maio também é celebre em Alvalade por boas razões.

Sporting-4, Newcastle-1



14 de Abril de 2005 - Eram os ¼ de final da UEFA e se passássemos já sabíamos que defrontaríamos o AZ Alkmaar, o que desde logo abria boas perspectivas para a final. Mas tínhamos perdido injustamente em Newcastle por 1-0 e havia um resultado para virar. Ainda por cima, jogávamos sem o Liedson, a cumprir suspensão. Casa praticamente cheia. Sporting alinhou com Ricardo; Rogério, Polga, Beto e Rui Jorge; Rochemback, Carlos Martins, João Moutinho e Sá Pinto; Niculae e Douala. Kieron Dyer abre o marcador contra a corrente do jogo, na primeira vez que chega à frente, aos 20’. Era a história do costume. Agora seriam precisos 3 golos e muita força psicológica para virar o resultado. O Sporting atacava, mas o golo não aparecia, até que mesmo ao cair do intervalo, Niculae responde a um cruzamento e faz o 1-1, o que viria a ser decisivo para manter a eliminatória em aberto na 2ª parte. Mas o tempo passava e o golo não havia meio de aparecer. José Peseiro faz saltar do banco o Sr. Pedro Barbosa por troca com o C. Martins e eis que 4’ volvidos Sá Pinto faz o 2-1. Havia 18’ para jogar e todo se tornara possível. O público motiva-se com o golo do Sá Leão, os ingleses começam a ser abafados no estádio pelo ambiente ensurdecedor que se criou. O Sporting insiste e aos 78’ Beto, correspondendo a um canto, faz o 3-1. O Sporting estava apurado com este resultado e Rochemback ainda viria fazer o 4-1 para a apoteose, já com Pinilla em campo no lugar de Niculae e sem Sá Pinto que aos 89’ foi trocado por Custódio, para a saída em apoteose.

Alkmaar-3, Sporting-2




5 de Maio de 2005 – O Alkmaar vinha rotulado de equipa sensação e tinha marcado primeiro em Lisboa. Mas com golos de Douala na 1ª parte) e Pinilla no final do jogo, o Sporting conseguiu um resultado que permitiu chegar em vantagem ao jogo decisivo, em Alkmaar. Sporting alinhou com Ricardo; Miguel Garcia, Polga, Beto e Rui Jorge; Custódio, Rochemback, João Moutinho e Sá Pinto; Liedson e Douala. O Sporting não entrou bem e passou um mau bocado. O Alkmaar chegou sem surpresa ao 1-0. Mas esse golo acordou o Sporting que teve logo em Liedson a oportunidade para empatar. Terá ficado por assinalar um penalty sobre o Liedson, mas o mesmo conseguiria empatar ainda antes do intervalo e o Sporting chegava ao intervalo com um pé na final. O Sporting foi gerindo o jogo na 2ª parte e o Alkmaar não conseguia criar perigo. Peseiro começa a tentar segurar o resultado e Tello rende Douala, aos 75’. Eis quando, sem que ninguém o esperasse, o balde de água fria: Alkmaar faz o 2-1 e empata a eliminatória. Os últimos 10’ foram um período de nervos, em que houve poucas oportunidades. O Senhor rende o Rochemback e começa logo a abrir o livro. Vem o prolongamento e Barbosa é o elemento mais perigoso do Sporting. Mas mais uma vez no golo estranho e feliz o Alkmaar chega ao 3-1 (108’). Já não haveria desempate por penalties e só nos restava tentar o milagre em que já poucos acreditariam. Com mais coração que cabeça o Sporting vai tentando o golo de ouro, repetindo a sua habitual sina de por infelicidades várias, morrer na praia. Mas contra todas as azaradas tradições, no último lance do jogo, Miguel Garcia consegue ser mais rápido que toda a defesa do Alkmaar e responde de cabeça a um canto de Tello do lado direito. O jogo terminaria imediatamente depois e foi a festa por todo o país. Estávamos na final 40 anos depois.

Sporting-5, Benfica-3



16 de Abril de 2008 – Meias-finais da taça em Alvalade. Chuvada torrencial: indicador de derby histórico. Havia sido assim no Benfica-5, Sporting-0, de 1986, no Sporting-7, Benfica-1 e no Sporting-3, Benfica-6. Sporting e Benfica atravessavam momentos de irregularidade já tinham acumulado maus resultados. O Sporting vinha tentando recuperar e apresentava-se em momento ligeiramente melhor. O Benfica era (des)orientado por Chalana (que saudades!) Sporting alinhou com Rui Patrício; Abel, Tonel, Veloso e Grimi; Adrien, João Moutinho, Romagnoli e Vukcevic; Liedson e Yannick. Miguel Veloso cedo demonstrou que já não tem rotinas de central e meteu água por todos os lados. Falhou a marcação nas 3 únicas oportunidades de golo do Benfica, que em duas delas, aproveitou para chegar rapidamente ao 0-2. Adrien acusou a responsabilidade e não conseguiu segurar o meio-campo. Di Maria fazia uma das melhores exibições do ano e Rui Costa e Rodríguez não tinham oposição à altura. Rapidamento P. Bento tenta corrigir trocando o verde Adrien por Izmailov, aos 35’. Veio o intervalo e a tradição cumpria-se: quem estava em pior momento, vence. Os adeptos do Sporting temiam o pior e já só não queriam sofrer uma derrota humilhante. Muitos foram embora ao intervalo e os que não foram pensaram em ir. Eu próprio pensei em sair caso o resultado chegasse a 0-3. Os golos não apareciam e o finalista parecia cada vez mais encontrado. Eis quando P.Bento tem uma aposta que gerou algumas gargalhadas na bancada: 7 meses depois, com um campo encharcado e pesado, resolve por Derlei em campo para jogar a última meia hora. E assim, aos 61’ rendeu o apagado Romagnoli. Em resposta, Chalana tem mais um toque de Midas e resolve tirar um dos melhores (Di Maria) por Sepsi (65’), com a intenção de parar Izmailov que estava a fazer mossa na defesa encarnada. Com Rui Costa nas covas, o ataque do Benfica dependia de Rodriguez. O resultado não se fez esperar: no instante imediato Yannick reduz e volta a colocar o Sporting em jogo e o público verde e branco finalmente a puxar pela equipa. O Sporting aperta, o Benfica acusa a pressão e Liedson cumpre mais uma tradição, marcando ao Benfica (76’) e fazendo o 2-2. A avalanche verde aumenta, a desorganização vermelha também e Derlei (quem diria!) faz calar muitos vermelhos que estiveram a época toda a gracejar com a sua contratação e resolve marcar ao antigo clube, fazendo o 3-2 (79’). Com a euforia da reviravolta, a defesa sportinguista (Veloso, uma vez mais, e também Abel) desconcentra-se e permite a Rodríguez (o tal único “avançado”) empatar aos 82’. O jogo estava aberto e a dúvida era se chegaria ao prolongamento, mas não durou muito. Aos 84’ Yannick enche-se de confiança e remata de longe, descaído para a esquerda: a bola tabela em Luisão e entra na baliza do Benfica, fazendo o 4-2. A vitória já não ia fugir e era lindo ver a bancada vermelha a engolir todos os cânticos imbecis que entoou durante a primeira parte e boa parte da segunda, assim como outros labregos que resolveram lançar os foguetes e encheram o meu telemóvel de sms ao intervalo. Iam para casa com o maior melão dos últimos anos e Vukcevic ainda doirou a pílula ao fechar em 5-3 (93’) com um sensacional remate de primeira, em resposta a um excelente cruzamento de Miguel Veloso. Já todo o estádio gritava “quem não salta é lampião”. Foi lindo!

18 comentários:

low desert puke disse...

"Já todo o estádio gritava “quem não salta é lampião”. Foi lindo!"

Mas nao saltavam, gritavam apenas. Porque saltar è uma fadiga dos cornos e um gajo ainda se despenteia. Meninos betos de Cascais despenteados, para là de molhados è uma blasfèmia. Nao pode ser.

E aos 93' apenas, para terem a certeza. Nao fosse o diabo tece-las. Sao lindos!

Repórter H disse...

Ui c'ainda doi!

Bengas disse...

Vómito: É por vocês serem assim (arrogantes e pretensiosos) que este jogo ganhou um lugar neste top. Não foi especialmente bem jogado. Simplesmente foi um melão para todos aqueles que, como tu, têm laivos de superioridade sem qualquer razão desportiva para isso. Aqueles que gostam muito dizer 'nós vamos e fazemos' e chegada a hora saem caladinhos que nem ratos (como é o caso daqueles que me mandaram sms ao intervalo). Aqueles que vivem na ridícula ilusão de que 3/5 dos habitantes portugueses e mais 10M€ pelo resto do mundo são benfiquistas. Aqueles que ainda se consideram um colosso, mesmo fazendo tristes figuras, umas atrás das outras, por esse mundo fora: Shaktahr, Galatassaray, Olympiakos, Académica...
Fossem vocês um clube diferente, com adeptos diferentes, e este jogo não se encontraria aqui. Mas ainda bem que são assim. Sabe ainda melhor.

Bengas disse...

Vómito: É por vocês serem assim (arrogantes e pretensiosos) que este jogo ganhou um lugar neste top. Não foi especialmente bem jogado. Simplesmente foi um melão para todos aqueles que, como tu, têm laivos de superioridade sem qualquer razão desportiva para isso. Aqueles que gostam muito dizer 'nós vamos e fazemos' e chegada a hora saem caladinhos que nem ratos (como é o caso daqueles que me mandaram sms ao intervalo). Aqueles que vivem na ridícula ilusão de que 3/5 dos habitantes portugueses e mais 10M€ pelo resto do mundo são benfiquistas. Aqueles que ainda se consideram um colosso, mesmo fazendo tristes figuras, umas atrás das outras, por esse mundo fora: Shaktahr, Galatassaray, Olympiakos, Académica...
Fossem vocês um clube diferente, com adeptos diferentes, e este jogo não se encontraria aqui. Mas ainda bem que são assim. Sabe ainda melhor.

Caneleiras de cortiça disse...

Temos 10M€ pelo resto do mundo?? Dá para contratar um bom defesa direito

low desert puke disse...

Com frases como "(des)orientado por Chalana (que saudades!)" ou ainda "Muitos foram embora ao intervalo e os que não foram pensaram em ir." - quem sao os arrogantes e pretensiosos e quem sao os adeptos ranhosos? Da minha parte digo-te, e ao H, que mereceram vencer, e que nem sei como chegàmos ao intervalo com aquele resultado, (a tua teoria sobre o Veloso tem a sua razao). E basta. Parabèns, meu. Se tens amigos labregos q te chateiam com sms's ao intervalo, muda de amigos, nao sei..

Nao começem è somente a falar das vitòrias passadas, porque mais uns tempos e as piadas sobre os benfiquistas que para ver a equipa ganhar teem de sintonizar a RTP Memòria, começarao a ser auto infligidas a voces.

No post anterior faltam tambèm os jogos contra equipas espanholas no inicio desta època. Mamar 15 ou 16 golos em um mes è obra. Tristes figuras?

Zizu disse...

Bengas saudosista? E eu a pensar que isso era só coisa de benfiquista??
Uma amostra reduzida comparada com historial(e presente)do SLB

Bengas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bengas disse...

Puke: não chamei ranhoso a ninguém. Apenas chamei ao clã benfiquista arrogante e pretensioso por se acharem algo que porventura até já foram, mas já não são. Parece-me apropriado.
Quanto aos '15' golos... de equipas espanholas levámos 13 em 3 jogos, é certo, e marcámos 6. Era melhor ter perdido 2-0, 0-3 e 2-0? Eu acho que não. E sobretudo não era melhor levar 5-1 do Olympiakos. Não é escândalo nenhum uma equipa da 2ª linha europeia (Sporting) perder por esta margem com equipas da 1ª linha (Real e Barça). Vocês é que não se enxergam e ainda se julgam equipas da primeira linha vá-se lá saber porque quando este ano levaram 5 (a 1) de uns gregos que esses sim, estão ao nosso alcance. Não digo o vosso porque viu-se bem que não estiveram. Só o facto de falares nas "goleadas" que sofremos de 2 colossos mundiais no ano em que o Benfica fez pior com uma equipa mediana (again, pretensiosos e arrogantes).
Zizou: não foi saudosismo. O H fez um post sobre o mais negativo, eu resolvi fazer sobre o mais positivo. Ele escolheu 5 e eu também. E deu-me trabalho a excluir alguns, pois tenho muito mais boas recordações das centenas de jogos que vi do Sporting.

low desert puke disse...

Pà, para terminar com esta discussao patètica, contra as outras equipas consideras que foi "festa", "apoteose" e mais nao sei o que. Contra o Benfica as noçoes usadas sao logo "massacre", "labregos q mandam sms", "que è lindo ver um estàdio a gritar "quem nao salta è lampiao", mas sem saltar... Portanto pensa là bem quem è arrogante e pretensioso. Sao voces que obteem mais felicidade a serem anti-benfiquistas primeiro e sò là para a tardinha se lembram que è melhor tambèm ser sportinguista. Porque partem sempre do presuposto que a primeira coisa a fazer è mandar-nos a boca, è inato em voces. E sò depois gozar as vossas pròprias vitòrias. Se depois alguns amigos teus te mandam sms à labrego por alguma razao deve ser.

Bengas disse...

Não tenho problema nenhum em admitir que o derby é o jogo que me dá mais gozo ganhar (obviamente descontando um jogo que possa dar um título, uma final...). Chama-se rivalidade aquilo que tanto gozo nos deu e pelos vistos ainda te incomoda tanto. Eu estava no estádio, apanhei chuva e vi muita gente saltar. Talvez o melão com que estavas te toldasse a visão.

Sugiro que vás ver ao diccionário o significado de arrogante e pretensioso. Nós apenas festejámos alegremente uma vitória especial num jogo em que, como tu próprio disseste, fomos melhores.

low desert puke disse...

A mim sò me incomoda o anti-benfiquismo exacerbado em voces. O facto de te ter jà dado os parabèns e enunciado que de facto foram melhores naquele jogo deveria à partida fazer-te perceber a minha postura, mas o facto è que mais uma vez nao perdeste a oportunidade para falar em "meloes", nao soubeste evitar isso, là està, porque è inato em voves. Isso incomoda-me.

O significado de arrogante e pretensioso nao preciso de ver no dicionàrio. Precisas tu de ver, onde quiseres, que tao ou mais importante do que saber perder jogos è tambèm o saber ganhar jogos, titulos, etc..Porque para voces, o ganhar è logo seguido de um espezinhamento a benfiquistas. Nao sabem dizer, ou pensar, aquando de uma vitòria: "Fomos melhores!", ao invès, as palavras que saltam logo da boca sao "lampioes do caralho", "e o Benfica è isto e aquilo..." Se isso è festejar alegremente, entao aconselho-te um dicionàrio desta vez. Se isso è a vossa felicidade, lamento. Sois uns tristes.

Bengas disse...

Sim, porque vocês festejam de um modo completamente diferente, não haja dúvida...
Mais uma mostra de benfiquismo: a memória curta/selectiva.

low desert puke disse...

Se tivessemos memòria curta nao falàvamos tanto no passado, no Eusèbio e tal.

Estàs a perder-te nos teus pròprios argumentos. E diz-se "amostra", nao "mostra".

Bengas disse...

Isso não é a vossa memória (até porque nem eras nascido quando isso aconteceu). Para vos avivar a fraca memória há vídeos, tv...

PS: Agradeço a lição de português, que dispenso, porque sem qualquer tipo de modéstia nem arrogância, sei escrevê-lo na perfeição. Tratou-se naturalmente de uma gralha de teclado, por escrever depressa. Já os teus acentos graves, dada a reincidência, parecem-me uma AMOSTRA de mau português

low desert puke disse...

Nao amigo. Os meus acentos graves e a falta de outros acentos deve-se ao facto de viver em Bergamo, bem no norte de Itàlia, desde 2004, e aqui os gajos nao usam todos os acentos que nòs usamos na nossa lingua. Daì o meu teclado ser incompleto nesse aspecto.

Tenho, isso sim, tal como aì, o ".", ou "ponto final". Coisa que o teu portugues perfeito esqueçeu ao terminar o comentàrio anterior.

Bengas disse...

OK. Está explicado o acento grave, mas não a cedilha em "esqueceu", na tua última frase

low desert puke disse...

Mas eu nao me vanglorio de escrever um portugues perfeito, por isso com cedilha ou sem cedilha è igual ao litro.

Voltaste a esquecer o ponto final.

Pesquisa personalizada